Ora pois, pois, Brasil e Portugal fizeram jogo de compadres

O empate sem gols de Brasil e Portugal foi daqueles duros de ser ver e de avaliar. Era previsto que as duas seleções – os brasileiros já garantidos e os portugueses  quase, só ficando de fora da nova fase se a Costa do Marfim desse uma lavada histórica na Coréia do Norte – iam ficar esperando para ver o bicho que ia dar. Mas foi um joguinho sem brilho e sem grandes jogadas, tanto que  foi difícil para os editores de imagem das redes de televisão separarem os chamados melhores lances e momentos. Um horror previsível, só que o torcedor naturalmente esperava muito mais e agora Brasil e Portugal vão para as oitavas de final  como classificados do Grupo G, e Coréia e Costa do Marfim foram tarde e não fazem nenhuma falta na Copa da África’2010…

Vão dizer que aconteceram  algum lance de área e que o goleiro Júlio César foi um dos destaques do Brasil ou que o centroavante  Cristiano Ronaldo acabou escolhido o melhor em campo, mas nada de excepcional e nem de fazer as torcidas  ficarem empolgadas com as fases seguintes.

Brasil e Portugal estão bem e podem render muito mais, com certeza, como diriam os lusitanos. O técnico Dunga não escalou Robinho e nem foi preciso, nem Kaká que foi expulso e ficou de fora. Pior foram  os entreveros de  Felipe Melo e Deco, que quase acabaram em expulsão do brasileiro que Dunga tirou para mostrar que não se deve aturar destemperos, mesmo em jogo de compadres e que todos já sabiam como ia terminar. Classificados mas lamentando o futebol de péssima categoria e a falta de gols e de grandes jogadas.

A Seleção Brasileira foi comum e não despertou nenhuma emoção e alegria. Tanto que para mostrar explosão de torcedores, especialmente em Belo Horizonte, a turma global teve de usar o esquema adotado  nos programas de auditório para a FanFest  do alcaide de BH e da marca de refrigerantes da Praça da Estação e também da Praça JK, nas Mangabeiras. É assim: quando o locutor grita como um animador – tipo cadê a torcida de Belo Horizonte? – a claque vibra, sacode bandeiras e toca cornetas, que incrivelmente estão proibidas junto com foguetes, com cervejas e qualquer forma de demonstração carnavalesca. Como sempre BH e Minas inovam proibindo tudo nas ruas. Tivemos até faixas  dependuradas, contrariando o tal Código de Posturas,  na região do São Bento, proibindo aglomerações nas ruas e praças. Coisa de louco, gente mineira e brasileira…

Como em Minas e pelo Brasil, em Portugal, na capital Lisboa e outras cidades grandes, os patrícios também viram o jogo sem grande empolgação e lamentavam o resultado apesar de ele valer a classificação dos dois compadres. O típico jogo de compadres que todos ficam satisfeitos mas não gostam do espetáculo. A esperada festa do futebol ficou  esperando e não aconteceu. Brasil e Portugal vão para as oitavas de final  na semana que vem devendo e muito aos torcedores  de cada lado do Oceano Atlântico. Cruzes…

‘Brasil e Portugal fazem jogo de compadres, empatam e se classificam’ foi a melhor síntese do  jogo de brasileiros e portugueses em Durban. Até o inacreditável e execrável Galvão Bueno, mesmo gritando e recebendo saraivadas de mensagens para calar a boca, disse que não foi o jogo dos sonhos das torcidas, mas que valeu. Valeu para quem? Cara pálida. E ainda disse que a missão foi cumprida.Lamentável e provoca reações inusitadas entre os brasileiros, mineiros e belo-horizontinos, tanto que muitos seguiram a idéia de não ver  Brasil 0, Portugal 0, pela Rede Globo. Um espanto…

O certo é que  muito distante  do grande futebol esperado pelas torcidas,  as Seleções Brasileira e Portuguesa ficaram no 0 a 0 e se garantiram nas oitavas de final como 1º e 2º colocados,  sem muito suor, técnica e categoria. Faltou talento e sobrou mediocridade, com raras exceções e jogadas, nos dois adversários que não precisaram combinar nada e seguiram o script de o que importa é o resultado. E estamos todos conversados, mas certamente enganados. E como?

Como nos primeiros encontros dos descobridores e os nativos tupiniquins em 1.500, colonos e colonizadores  em 2010, nesta  primeira fase da Copa da África, enquanto Costa do Marfim vencia a Coréia do Norte (3 a 0)  sem sucesso  (já que acabaram abraçados e morrendo na praias do Oceano Indico)  esperaram a noite para a definição  do Grupo H para conhecerem os adversários nas oitavas  de final na semana que vem. Todos torcendo para que o futebol de brasileiros e portugueses realmente seja digo da alegria e descontração brasileiras e portuguesas.

Sem Robinho, Kaká e Elano,,. Dunga escalou Nilmar, Júlio Baptista e Daniel Alves, que  tentaram mas não foram melhores que os titulares afastados por suspensão e problemas físicos. Já Portugal jogou quase sempre defensivamente desde a saída de bola, por decisão do técnico Carlos Queiroz, que escalou Cristiano Ronaldo isolado no ataque e enfrentando a defesa brasileira.

A rigor, em poucas jogadas surgiram lances de gol como quando Nilmar acertou bola na trave de Portugal. Pepe e Felipe Melo trocavam agressões e levaram amarelo, mas Dunga acabou com  a discussão e a troca de pisões, tirando o brasileiro para ele não ser expulso.

No segundo tempo, os  portugueses tentaram mais jogadas de gol e  Cristiano Ronaldo, aos 14 m,  criou  lance contra quatro brasileiros. Mas Raul Meireles perdeu a chance, com Júlio Cesar fechando bem o ângulo. O lance acabou com  pancada nas costas do goleiro brasileiro, mostrando que devido aos  problemas lombares,  que ele diz terem sido curados,  ele está entrando em campo com uma proteção  de faixas e esparadrapos nas costas. Ainda bem que ele disse na saída do gramado que não tem mais nada, nem dores lombares, e que a proteção é para ter mais segurança e atuar normalmente. tomara que assim seja mesmo com Gomes para vestiar a camisa um brasileira…

No fim de jogo, no Estádio de Durban, o público  passou a vaiar as duas seleções, que abandonaram totalmente do ataque, cada qual querendo evitar surpresas. Com cinco minutos de acréscimo, ainda deu tempo de Ramires obrigar Eduardo a mais uma boa defesa.  Quando o juiz encerrou o jogo depois dos descontos, ninguém reclamou. Um verdadeiro jogo de compadres sem samba e sem vira ou fado. Uma droga completa.

Na saída de campo, portugueses e brasileiros comentaram o jogo e a falta de grandes lances e gols.  Falaram em objetivos e  em preservação, desculpando o futebol sofrível e sem a categoria e o futebol fantasista tão admirado pelos torcedores de todo mundo. Acreditam que agora, na série de mata-matas, os times terão de atacar mais e buscar os gols que estão faltando como em Durban, nesta sexta-feira, dia 25 de junho de 2010. Chega de enganação dos times de Dunga e  Carlos Queiroz. Mas os torcedores que se preparem pois nas oitavas os jogos serão decididos no tempo normal, depois com prorrogação e até nos pênaltis. Um horror, torcedores e o futebol está escasso no continente africano. Eta ferro!!!!

Ora pois, pois, ó gajos e raparigas  de cá e de além mar…

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Ora pois, pois, Brasil e Portugal fizeram jogo de compadres

  1. luiz fernando disse:

    Rogério,

    como diz o ditado (reescrito) ‘de onde nada se espera é que não sai nada mesmo’, de futebol da ‘nova era Dunga’ (ainda pior que a anterior) é com isso mesmo que temos de nos acostumar. Para quem gosta de futebol, só resta assistir (se aguentar) a esses jogos sem nenhum talento e emoção, torcendo para que vença o menos ruim. Até ferro! E arriba, Furia!, pois a Espanha é a última esperança de ainda haver algum futebol na África do Sul 2010.
    Abraço,
    Luiz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s